Caminhem pela Arte e Cultura.

Profile Graphics, Page Graphics

quarta-feira, fevereiro 07, 2018

AFBA ASSOCIAÇÃO E ESCOLA FLUMINENSE DE BELAS ARTES




Patriotismo Cultural




Ricardo V. Barradas
presidente




Ricardo V. Barradas
ativista cultural



Associação Fluminense de Belas Artes

artes - cultura - cidadania

B R A S I L











segunda-feira, fevereiro 05, 2018

AVALIADORDEARTE É UM DOMÍNIO REGISTRADO NO BRASIL E NO EXTERIOR




AVALIADORDEARTE

 É

UM DOMÍNIO REGISTRADO

NO BRASIL E NO EXTERIOR


MAS

PESSOAS DE CARÁTER DUVIDOSO, OPORTUNISTAS, MAUS PROFISSIONAIS,
GOLPISTAS MAU INTENCIONADOS ESTÃO USANDO.

CUIDADO - PERIGO




O ÚNICO E VERDADEIRO



AVALIADORDEARTE

 É

RELATIVO

SOMENTE

A

RICARDO V. BARRADAS

RIO DE JANEIRO - RJ - BRASIL


WWW.AVALIADORDEARTE.COM

WWW.AVALIADORDEARTE.COM.BR



















quarta-feira, janeiro 31, 2018

POR UMA VELHICE ARTÍSTICO-CULTURAL DIGNA E NÃO MISERÁVEL








A Lei de Direitos Autorais do Brasil vigente é uma das melhores do mundo mas acredito ainda em novos desdobramentos na sua aplicabilidade e contemplação. A exemplo disto creio que deve estar o direito de personagem, interpretação, reapresentação, reprise e re-montagem, uma forma digna de creditar recursos para o artista, ator e interprete velho e portadores de doenças graves. O que é injusto são casos que tem ocorrido frequentemente dentro do meio artístico nacional, personalidades de nossa melhor cultura, esquecidas, abandonadas, vivendo na miséria de favores humilhantes e morrendo precocemente por falta de medicamentos, acompanhamento medico em leitos de unidades publicas sem os devidos recursos. Cabe aos Ministérios da Justiça, do Trabalho e da Cultura brasileiros impor urgentemente estas adequações pois os nossos grandes decanos da cultura nacional brasileira estão morrendo de forma indigna e esquecidos na própria sorte. Por isto peço providencias imediatas para o nosso rico patrimônio vivo da arte e da cultura nacional.

RICARDO V. BARRADAS



segunda-feira, janeiro 08, 2018

FALECEU NO RIO O ATOR BRASILEIRO HENRIQUE CESAR




Henrique César    1 9 3 1   -  2 0 1 8



Meu amigo, descanse em paz. 
A dramaturgia brasileira chora por seu ultimo papel. 
Muita merda para você.


 Henrique Cesar




Henrique Cesar




FALANDO DE ARTE, MODA E BELEZA.













FALANDO DE ARTE, MODA E BELEZA.


Cada vez fica mais difícil encontrar a perfeita combinação atrativa e bem cobiçada da justa personalidade feminina. Beleza física sem exageros de preferência com um pequeno sinal de nascença por que dizem que quando é para separar dos iguais e dos comuns, o Criador, marca sutilmente a diferente.Acompanhando a isto a rara espécime feminina deve ter uma doce inteligência e uma lógica perspicácia sem arrogância e intolerância por que toda prepotência é sempre muito burra e cega. Por fim a fragrância de uma tênue e balsâmica ingenuidade infinda por que só os mansos de coração chegaram bem perto do quase perfeito permitido aos super humanos.  



Texto: Ricardo V. Barradas







sábado, dezembro 23, 2017

SOL INVICTUS











Feliz Sol Invencível na Vida de Cada UM.
E paz na terra aos seres de boa vontade.

                                                       RICARDO V. BARRADAS





terça-feira, novembro 28, 2017

A Avaliação da Obra de Arte





A Avaliação da Obra de Arte


WWW.AVALIADORDEARTE.COM 


TRADIÇÃO  -  EXPERIENCIA   -  CONFIABILIDADE


PINTURAS E ESCULTURAS NACIONAIS E ESTRANGEIRAS

ANTIGUIDADES  -  LIVROS  -  OBJETOS DE ARTE

JOIAS  -  GEMAS  -  RELÓGIOS  -  MOVEIS  -  TAPETES 

DOCUMENTOS  -  FOTOGRAFIAS  -  INSTRUMENTOS



PERICIAS  -  CONSULTORIAS  -  INVENTÁRIOS  -  INTERMEDIAÇÕES



MAIS 40 ANOS DE SERVIÇOS AO MERCADO DE ARTE





sábado, novembro 04, 2017

NO LIVRO DA LEI por RICARDO V. BARRADAS



NO LIVRO DA LEI




Um dia um velho venerável mestre viúvo esteve em um jantar oferecido a ele, na casa de um casal de sua oficina, a cunhada era uma ativa irmã da fraternidade feminina e o irmão um fervoroso orador por diversas vezes escolhido em varias gestões. Acabado a noite agradável depois que o velho venerável saiu, a cunhada disse ao marido, 
eu acho que o irmão venerável 
roubou uma das colheres do nosso faqueiro de prata.

Este ocorrido incomodou o casal durante o ano inteiro.

No ano seguinte, perto da mesma data, o casal convidou o velho irmão venerável para um outro jantar em sua casa.Incapaz de resistir, a cunhada perguntou ao velho venerável se o irmão havia por descuido levado uma de nossas colheres de prata, no jantar do ano passado. Então o velho venerável, sorriu e calmamente respondeu que não, 
que tinha deixado a colher de prata 
dentro do Livro de Ouro da Lei, exatamente no capitulo dos Salmos.
Moral da Historia, ler o Livro da Lei, fonte de toda sabedoria, sempre evita que pensemos mal de nosso próximo alem de fortalecer por justiça e perfeição nosso caminhar em fraternidade.O Livro da Lei é mais que um objeto de adorno, é sim fonte da palavra viva para vivermos na luz do GADU em amor e união.Agora com todo carinho fraternal universal lhe pergunto, 

você sabe onde está ou foi parar sua colher.




                                                                                    RICARDO V. BARRADAS





quinta-feira, novembro 02, 2017

O MENINO E A CULTURA CHORANDO














Jazigo de Oscar e do renomado mestre pintor e escultor Rodolpho Bernardelli, no Cemitério São João Batista, em Botafogo no RJ, com escultura deste último, um Santo Estêvão. Popularmente conhecido como o menino chorando. O original pertence ao acervo do Museu Nacional de Belas Artes no RJ.O conhecimento da arte cemiterial no Brasil se tornou praticamente inexistente, diferentemente das principais cidades do mundo.Os maiores museus de arte a céu aberto da nação brasileira vem a muito tempo sobrevivendo e resistindo aos constante roubos e depredações, mediante a própria sorte. Mesmo no mundo dos mortos, as regras, os horários o direito de ir e vir são ditados em comum acordo com a criminalidade que controla o entorno das localidades onde estão situados.Aqui temos um grave problema de politica publica e privada de cultura na segurança publica, a muito tempo cega e inexistente.



 RICARDO V. BARRADAS