Caminhem pela Arte e Cultura.

Profile Graphics, Page Graphics

sexta-feira, agosto 17, 2018

GUIAS DE UMBANDA E DO CANDOMBLÉ





CULTURA AFRO BRASILEIRA

Cultura Negra

...as contas da fé... 













PROJETO CULTURAL DE REGISTRO E MEMORIA DA ARTE NEGRA

Curadoria e Pesquisa

RICARDO V. BARRADAS



domingo, julho 01, 2018

ENERGIAS E VIBRAÇÕES NO MERCADO DE ARTE.














Manoel Santiago - ost - 1929 - Coleção Particular.


Energias e vibrações criativas assim é a vida dos verdadeiros marchands e grandes artistas pela existência do sempre. Eu com Manoel Santiago foi em sua vida e continua sendo assim. A alguns dias um belo trabalho realizado na década de 1920 foi a venda novamente, alcançando cifras milionárias e ao mesmo tempo arrancando de um novo publico novas admirações e encantamentos por tamanha qualidade e beleza. Esta obra em si, foi adquirida na década de 1920 na cidade do Rio de Janeiro por um renomado intelectual e escritor brasileiro e a mesma, fez parte de seu rico acervo pessoal de obras de arte. Por ocasião  do inicio da década de 1980, o intelectual me procurou para que eu intermediasse a venda como marchand. Diante da obra prima aceitei e foi realizado um negocio sem precedente com um valor muito alem dos praticados pelo mercado de arte, na época. Agora depois de anos, a mesma obra posta a venda, me procuraram para eu intermediar a compra deste mesmo trabalho mas infelizmente o possível comprador, não entendeu sobre a magistralidade do trabalho, da obra prima do grande amigo e artista Manoel Colafante Caledônio de Assumpção Santiago, ou simplesmente Manoel Santiago que se tratava e diante do elevado valor, atual, desistiu. Infelizmente para este comprador e felizmente para outro comprador que por mérito e visão a adquiriu. Da mesma forma que felizmente para o conjunto da obra, da biografia e historia de Manoel Santiago como um dos expoentes das artes plasticas no Brasil. Assim também já ocorreu comigo diante tantos outros trabalhos de artistas que foram amigos meus e de outros que não conheci pessoalmente mas aprendi a amar, por estudos, pesquisas, conversas com filhos, familiares e mesmos outros artistas contemporâneos. A exemplo disto é a obra do grande mestre da pintura acadêmica brasileira Eliseo d'Angelo Visconti, ou simplesmente Eliseu Visconti, de quem fui muito amigo de seu filho, e que entre tantas conversas em sua casa, aprendi muito sobre o artista muito alem das nuances que estão em livros. Com o passar dos anos a cada novo trabalho que me deparava, levava ao meu amigo, filho do artista para comentários inclusivos a respeito da obra. Com isto, eu como antigo, avido e tradicional profissional do meio do Mercado de Arte e da verdadeira historia das artes plasticas e visuais do Brasil, só se completa. Foi em uma destas raras oportunidades de mercado que me deparei com um raro exemplar completo e intacto da famosa do Eliseu Visconti, designer ítalo-brasileiro ativo entre os séculos XIX e XX. A Moringa verde decorada com perfil e flores – Executada para a inauguração do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, decerto um exemplar raro e completo mas diante de meu individual desejo em compra la preferi indicar, incentivar e mesmo ensinar sobre a obra que ate então era desconhecida do neto do artista o Sr. Tobias Stourdze Visconti, que na época estava iniciando os trabalhos do Projeto Visconti, como hoje se encontra. A partir desta aquisição,desta citada obra o projeto hoje catalogou perto de 20 exemplares, expostos em varias exposições e até, mesmo fez reedição delas durante a grande exposição do artista no Museu Nacional de Belas Artes, que humildemente me posicionei contrariamente mas mesmo assim, comprei um exemplar sem qualquer deferência. Infelizmente, por mais que todos os dados acima sejam verídicos, sobre a moringa verde, nunca e nenhum dado ou credito a mim e ao meu conhecimento, intermediação para a compra da obra algum dia a minha pessoa foi dado. A obra de Eliseu Visconti, enquanto  pintor, desenhista e designer e minha caminhada profissional no Mercado de Arte, assim pelos tempos, permanece. Existiram outros artistas, uns amigos outros apenas amigo e admirador de suas obras, criatividades e engenhosidades. Tais como Oswaldo Goeldi, Sylvio Pinto, Farnese de Andrade, Bustamente Sa, Jose Maria Dias da Cruz, Antonio Bandeira, Emiliano Di Cavalcanti, Rosina Becker do Valle, Ivan Serpa, Bruno Giorgi, Ceschiatti, Menotti Del Pichia, Burle Marx, Mabe, Djanira, Caio Mourão, Adilson Santos, Adelson do Prado, Roberto de Souza, Angelo Cannone, Francesco Brunocilla, Sansão Pereira e tantos outros.  






Eliseu Visconti - moringa verde - Coleção Particular.







Oswaldo Goeldi - pescador - Coleção Ricardo Barradas.




Emanoel Araujo - Avenida Paulista p TV Globo - Coleção Ricardo Barradas.






Bruno Giorgi - Figura Sentada década de 1960 -  Coleção Ricardo Barradas.





Eliseu Visconti - ost - Copacabana - Coleção Ricardo Barradas.






Manoel Santiago - ost - dec. 1930 Coleção Ricardo Barradas.








segunda-feira, junho 04, 2018

quarta-feira, maio 23, 2018

Segunda edição do Congresso Internacional de Peritagem de Obras de Arte









II Congresso Internacional de Peritagem 
de Obras de Arte

ICAE International Conference Artwork Expertise, 
que acontecerá  na cidade do Rio de Janeiro o dia 29 de setembro de 2018 
tem como objetivo a confraternização e atualização dos profissionais 
de peritagem de obras de arte do Brasil, da América Latina e do mundo.


Declarado de Interesse Cultural pelo Ministério da Cultura da Nação Argentina,
 Ministério das Relações Exteriores e Consulado Argentino no Rio de Janeiro, 
UNESCO e IBRAM (Instituto Brasileiro de Museus) 
este encontro acontecerá no Windsor Barra Hotel
 na capital fluminense.  



2 0 1 8

Rio de Janeiro - RJ - Brasil







sábado, maio 19, 2018

CPM - Creations Perpetuum Mobile,






Leonardo Da Vinci



O processo criativo inicial de uma obra na arte, começa de forma aleatória e abstrata, afinal o ambiente remoto e o recém estado mental, emocional do artista, do autor, do inventor o contamina. A cadencia mecânica e a gestualidade do fazer que aos poucos definem a complexidade e a singularidade muitas vezes aparentemente sem sentido, objetivo e soluções. Mas o inesperado existe e quando se menos espera, elas surgem em perguntas fluxos e respostas energéticas, luz e calor, ondas finas e precisas que se a razão busca se encontra las levaria anos a fio sem ter nada próximo desta exata situação e posição. A frequência criativa quando realmente sintonizada na arte pura é uma divina baixa blasfêmia da criação. Nenhum verdadeiro artista pode se achar sacro-santo por que busca reinventar o verbo longe do original, educacional e dos saberes previsíveis. Entre obras de varias plataformas de uma forma fechada ou de uma forma aberta, que é bem mais grave pois alem de inventar o que não existe ainda nega a limítrofe cativa equação das horas, do espaço e do tempo, os cânones da oficial temporalidade da evolução. São estas obras que alguns mestres em semiótica, como Umberto Eco, costumam chamar de obras abertas, pois são criações que transitam em um movimento perpetuo como moto-continuo. Obras criativas possíveis, mas hipotéticas como as leis da física interpretam ou melhor hipoteticamente irreal para um mecânico e gravitacional instrumento mas naturalmente real e possível enquanto fundamento e obra de criação. Obras que eu costumo chamar de CPM - Creations Perpetuum Mobile, ideias imagens de luz, cor, fluxo e frequência as quais reutilizariam indefinidamente a energia criativa gerada por ela mesma desde seu próprio movimento inicial criativo. Não são obras derivadas dos movimentos simbolistas quaisquer. São sim obras da criação artística inventiva que de tempos em tempos, ressurgem edificadas e atualizadas como um tipo especial de meta-linguagens continuas criativas, bem mais fortes e bem mais precisas para qualquer momento em questão rumo ao infinito. São obras ícones, na direção da nova linguagem contemporânea onde o ideograma não só exprime a ideia exata mas por forma criativa deriva múltiplas interpretações.O vermelho encarnado da dor, do mutilamento, escarnecimento, do ferimento, da violência perante a vida, do perigo é a mesma cor universal escolhida para significar a ternura mais humana, o amor, no coração vermelho.


RICARDO V. BARRADAS 

segunda-feira, abril 23, 2018